Editora Werlang
Archive.org    Blog    Twitter   CEW    Colônia Santo Ângelo    Linhagens    Links    Fale Conosco
    
A escritura das terras da Sociedade Imobiliária João Gerdau & Cia situadas no perímetro da Colônia Santo Ângelo

    A antiga escritura foi lavrada no dia 18 de agosto de 1886, em Porto Alegre, na presença de representantes da Fazenda Provincial e do comprador Capitão Policarpo Pereira de Carvalho e Silva:

    “Como vendedora, a Fazenda Provincial representada por seu procurador Fiscal Doutor Francisco Viriato de Medeiros e como comprador o Capitão Policarpo Pereira de Carvalho e Silva, morador da Cidade da Cachoeira, e neste ato representado por seu especial  procurador Felipe Benicio de Freitas Noronha, como da procuração que exibiu, se acha registrado a folhas cinqüenta e oito do livro número dez de registros gerais deste Cartório onde fica arquivada e todos os próprios que eu conheço e dou fé.      
0115
< >
   
Autor: William Werlang
Locução: Janice Hermes
Áudio 0115
    E a vendedora, por seu Procurador Fiscal, me disse ante às testemunhas no fim referidas e assinadas, que sendo Senhora e possuidora de cinqüenta e um milhões, trezentos e quatro mil metros quadrados de terras encravadas no perímetro da ex-Colônia Santo Ângelo, situada no município de Cachoeira, divididas em três partes distintas, acha-se encontrado com o comprador, por bem desta escritura e na melhor forma de direito, para vender-lhe ditas cinqüenta e um milhões trezentos e quatro mil metros quadrados de terras, como de fato vendido tem pelo preço de um oitavo de real cada metro quadrado em moeda corrente, importando em todos em seis contos, quatrocentos e treze mil réis, cuja quantia já recebeu do comprador, como se mostra com o conhecimento sob número trinta e seis consignado pelo tesoureiro da Diretoria Provincial Manoel Alves Pires de Azambuja, em dezessete do corrente.

     Disse mais, que a citada área de terras ou cinqüenta e um milhões, trezentos e quatro mil metros quadrados, esta dividida em três partes distintas e sem linha de contiguidade e todos encravadas na área da referida ex-Colônia de Santo Ângelo, dividindo-se e confrontando-se da seguinte forma:

A primeira:
Contém nove milhões cento e noventa e seis mil metros quadrados, confrontando ao norte, oeste e sul com a margem esquerda do rio Jacuí, e a leste com terras devolutas encravadas na dita ex-Colônia Santo Ângelo e situadas nas proximidades das que foram de Dona Theresa de Carvalho da Fontoura.
A segunda: Contém quinze milhões, novecentos e setenta e dois mil metros quadrados, encravados no centro da mesma colônia, dividindo-se e confrontando-se ao norte com o Travessão Central do Sul e com a Linha Nova, a oeste com terras da mesma ex-Colônia nas proximidades da Linha dos Teutos (Teutônia), ao sul com o Travessão do Paraíso e a leste com as terras da mesma colônia.
A terceira: Contém vinte e seis milhões, cento e trinta mil metros quadrados, formando um polígono de cinco lados e divide e se confronta ao norte com terras devolutas; a oeste com o alinhamento à margem esquerda do rio Jacuí; ao sul com a Linha Boêmia e; a leste com a serra tendo caídas com o arroio dos Bohemios, conforme tudo consta dos três mapas parciais apresentados pelo Engenheiro Doutor Francisco dos Santos adaptadas do mapa geral da mencionada ex-Colônia e memorial que à vinte e nove de julho deste ano apresentou ao Excelentíssimo Marechal Manoel Deodoro da Fonseca, Vice-Presidente da Província, descriminando as três referidas partes de terras na forma já dita. 
In Hoc Signo Vinces!
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang   •   All Rights reserved   •   www.werlang.de - www.coloniasantoangelo.com.br
contador de visitas