Die Kolonie Santo Ângelo Zeitung
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang   •   All Rights reserved   •   www.werlang.de - www.coloniasantoangelo.com.br
Autor: William Werlang
Locução: Janice Hermes
Membros da Família Fiss da Colônia Santo Ângelo
0050
< >
Archive.org   Blog   Twitter   Coleção Editora Werlang    KSA    Linhagens    Links    Fale Conosco
Áudio 0050
                         O imigrante Peter Weingärtner

     Peter Weingärtner, nasceu no dia 12 de janeiro de 1827, e era natural de Euskirchen, na  província prussiana do Reno. Euskirchen, localiza-se atualmente no Estado da Renânia do Norte Westfália, na Alemanha. Na Colônia Santo Ângelo com a pomerana Johanna Caroline Dorothea Wilke, natural de Gross Schwarzsee, aldeia próxima de Tempelburg, no distrito de Neustettin.

Do casamento nasceram vários filhos na Picada Morro Pelado e entre eles estavam Wilhelm Johann Carl Weingärtner, nascido na Picada Morro Pelado em 1860; Anna Thereze Louise Weingärtner, em 1860; Germano Conrado Wengärtner, em 1864 e Peter Franz Carl Weingärtner em 1869.
 
    Weingärtner foi instalado no dia 6 de julho de 1860 na Picada Morro Pelado, lote número 1, e que tinha 72,6 hectares. Consta em registros que a sua residência foi incendiada no ano de 1874. No dia 2 de maio de 1881 pagou 450$000 réis ao Governo da Província do Rio Grande do Sul pelo lote colonial, situado na Colônia Santo Ângelo 

    Além de agricultor, nas horas vagas Weingärtner se ocupava com estudos da flora e fauna e suas pinturas a óleo sobre madeira. Numa visita a Augusto Pötter, ele solicita ajuda para confeccionar quadros para suas pinturas:

    - Pötter, você dispõe aqui em seu moinho de serras capazes de fabricar um tripé para colocar quadros para pinturas? Gostaria muito de que o Senhor pudesse me conseguir tábuas de madeira de lei bem largas para fabricar quadros? A tinta obtenho da terra com mistura de óleo de amendoim com pigmentos de terra como a hematita e outros minerais onde posso obter as cores principais. Das misturas obtenho as demais. Os pincéis eu trouxe da Renânia.

    Augusto Pötter respondeu:

    - Não precisamos de artistas nesta terra, mas sim de pedreiros, oleiros, carpinteiros, sapateiros, alfaiates ou no máximo pastores, mas não artistas.

    Assim era a vida dos pioneiros da Colônia Santo Ângelo. Praticamente todas as atividades tinham um caráter utilitarista imediato, para resolver as necessidades mais prementes da nova colônia, que era a própria sobrevivência. As atividades artísticas no início da colonização foram descartadas.
In Hoc Signo Vinces!
contador de visitas