Die Kolonie Santo Ângelo Zeitung
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang   •   All Rights reserved   •   www.werlang.de - www.coloniasantoangelo.com.br
Autor: William Werlang
Locução: Janice Hermes
O Jornal da Colônia Santo Ângelo
Membros da Família Fiss da Colônia Santo Ângelo
0048
< >
Archive.org    Blog    Twitter    CEW    Colônia Santo Ângelo    Linhagens    Links    Fale Conosco
Áudio 0048
                               Frederico Treptow (II)

     Em julho de 1860, caiu uma chuva muito forte na região e ocorreu a primeira grande enchente na presença dos imigrantes, ficaram muito assustados com o clima, aquela gente toda estranha, a mata fechada e com os animais exóticos. Na Picada do Rio, muitas casas de colonos foram levadas pela enxurrada do rio Jacuí. As pequenas cabanas e tudo dentro foram levadas rio abaixo sem que ninguém pudesse fazer nada. Desespero e dor tomou conta da incipiente comunidade, pois corria a notícia de que havia morrido uma família inteira.

     Impossível ir até a Picada do Rio, pois a estrada está interrompida, os arroios todos muito cheios e a mata é muito fechada para passar pelo alto do morro, afirmava Augusto Pötter ao grupo todo ali reunido e a chuva forte não parava de cair fazia já uma semana.  
    - Eu tenho parentes na Picada e não sei qual é a situação. Estou muito preocupado com meu irmão que construiu sua pequena casa a beira do rio. Ninguém os avisou das fortes enchentes e nós não conhecemos este clima da América do Sul, afirmava Johann Graffunder ao grupo.

    O arroio que passa na terra da Comunidade Protestante já possuía uma primitiva pinguela que podia ser facilmente ultrapassado a pé, mas de carroça era impossível.

    Luiz Berger afirmava que encontrara em suas terras um local onde poderia plantar num futuro próximo arroz irrigado, pois apesar de estar localizado num local elevado, poderiam se dedicar a orizicultura em larga escala.

    Entretanto, constatou-se mais tarde que o local mais indicado para o cultivo do arroz, teria sido a Picada do Rio.

    Em pleno período de chuvarada, chegara no dia 6 de julho de 1860 Pedro Weingartner, descendente direto do grande pintor homônimo que havia sido instalado na Picada Morro Pelado número 1.

    Naquele dia já se encontrava reunido no moinho de Augusto Pötter, onde contava sobre suas atividades dedicadas a pintura e ao estudo da flora. Aceitou ficar no pé do morro Agudo, onde anteriormente nenhum colono havia aceitado aquela terra terrivelmente acidentada e íngreme. Além do mais, naquele lote, já havia sido aberta a picada que ligava Morro Pelado a Picada do Rio e os colonos não aceitavam na época que uma estrada cruzasse suas terras, seja por que motivo fosse.
In Hoc Signo Vinces!
contador de visitas