Die Kolonie Santo Ângelo Zeitung
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang   •   All Rights reserved   •   www.werlang.de - www.coloniasantoangelo.com.br
Autor: William Werlang
Locução: Janice Hermes
O Jornal da Colônia Santo Ângelo
Membros da Família Fiss da Colônia Santo Ângelo
0030
< >
Archive.org    Blog    Twitter    CEW    Colônia Santo Ângelo    Linhagens    Links    Fale Conosco
Áudio 0030
                    A família de Augusto Pötter (II)

   
Augusto Pötter dialoga com sua segunda esposa Sophia Gehrke:

    - Em Sorenbohn eu nunca conseguiria este pedaço de terra, disse Pötter a sua segunda esposa, quando chegou ao local onde instalou sua mala de madeira, contendo as ferramentas de carpinteiro, roupas, pratos, talheres, pares de tamancos, carregados numa pequena carreta de quatro rodinhas. - Qual é o tamanho desta terra, pergunta Carolina. - Recebemos 72,6 hectares de terras.

    - Meus irmãos continuam lá em casa, lutando todo ano por um bocado de batata, sal, açúcar de nosso patrão Junker, dono de mais de 2.000 hectares. Com 30 anos de idade eu apenas soube o que era trabalhar para os outros. Nós quase nem recebíamos moeda. Tínhamos que trabalhar para o patrão e entregar quase tudo na colheita, além de abrir e conservar estradas, construir pontes, pagar para usar o forno, o pasto, a madeira.
     Só em 1806 meu avô deixou de ser um verdadeiro escravo da terra. Mas não adiantou nada essa tal libertação, pois nós continuamos a trabalhar como cavalos atados nas correias. Aliás, os cavalos tinham mais valor do que nós.

    O velho Barão de Sorenbohn perdeu muitos braços para a América e não queria nos deixar sair de forma alguma. Mesmo assim decidimos partir e nos dirigimos a pé pela estrada até o Porto de Hamburgo, no chamado Amerika Kai, onde os barcos só se dirigiam para a América.

    Muitos dias passando frio e fome na estrada até entrar num navio que o Imperador Brasileiro D. Pedro II. contratou para trazer imigrantes para o Brasil.

    Augusto, dizia Sophia, está na hora esquecermos tanto sofrimento. Nós estamos aqui nesta nova terra, plantando o futuro das gerações futuras. Podemos esquecer qualquer tipo de conforto, pois vai ser só sacrifício.

    Será que no futuro irão nos honrar, ou cairemos no esquecimento, daqui 50, 100, 150 anos? Para nós pietístas que interpretamos a Bíblia ao pé da letra, sempre lembramos: Quem não honrar pai e mãe, não receberá sua herança. Será que no futuro se lembrarão dos pais da imigração? Eles que escolham ...

    Amanhã começaremos derrubando o mato, aqui para construirmos uma pequena cabana de palha. Hoje teremos que dormir ao relento, pois não dá mais tempo para fazer a cabana.
In Hoc Signo Vinces!
contador de visitas