Die Kolonie Santo Ângelo Zeitung
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang   •   All Rights reserved   •   www.werlang.de - www.coloniasantoangelo.com.br
Autor: William Werlang
Locução: Janice Hermes
O Jornal da Colônia Santo Ângelo
Membros da Família Fiss da Colônia Santo Ângelo
0029
< >
Archive.org    Blog    Twitter    CEW    Colônia Santo Ângelo    Linhagens    Links    Fale Conosco
Áudio 0029
                    A família de Augusto Pötter

   
A nova comunidade formada imediatamente procurou encontrar um bom amparo espiritual.

    A família de Augusto Rohde, de Hundskpof, Kreis Dramburg, Pomerânia, havia trazido junto um pequeno livrinho de meditações que estava em conexão com as folhas dominicais, e hinários.

    No ano de 1860, a comunidade escolheu o velho moinho de Augusto Pötter para a realização dos primeiros cultos. Augusto Pötter, natural de Sorenbohn, havia inicialmente sido instalado na Linha Teutônia, mas o local não lhe havia agradado muito.
    O colono Johann Schneider havia construído um pequeno moinho na Teutônia, e Augusto também desejava se dedicar ao mesmo ramo.

    Assim solicitou ao Barão voa Kahlden um lote colonial na Picada Morro Pelado.

    Sua terra atravessava o Arroio Grande e como não existia uma queda d'água teve que utilizar cavalos para mover a roda que moia os grãos.

    Augusto havia chegado a colônia em primeiro de novembro de 1857, juntamente com sua esposa Carolina Pötter, com apenas 27 anos de idade e seu filho Francisco com 7 anos e uma filhinha recém nascida. Augusto contava com 31 anos quando chegou ao Brasil.

    Em Sorenbohn havia aprendido a construir moinhos com seu pai que permaneceu na Pomerânia e passou a se dedicar à atividade.

    Augusto casou novamente com na Colônia Santo Ângelo com Sophia Gehrke, natural de Lubow, Neustettin, Pomerânia.
In Hoc Signo Vinces!
contador de visitas