Die Kolonie Santo Ângelo Zeitung
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang   •   All Rights reserved   •   www.werlang.de - www.coloniasantoangelo.com.br
Autor: William Werlang
Locução: Janice Hermes
O Jornal da Colônia Santo Ângelo
Membros da Família Fiss da Colônia Santo Ângelo
0022
< >
Archive.org    Blog    Twitter    CEW    Colônia Santo Ângelo    Linhagens    Links    Fale Conosco
Áudio 0022
   A entrada nos lotes colonias na Linha Morro Pelado (II)

    Luiz Berger ficou no lote número 12, Schwartz no 14 e Treptow no 15. Um pouco mais adiante foi instalado o lote da "Comunidade Protestante", comprado mais tarde da viúva Mohr, onde seria construída a futura igreja e instalado o primitivo cemitério no centro da colônia. As estradas eram intransitáveis para as carroças. Os colonos andavam a pé e não dispunham de cavalos. Este grupo da Picada Morro Pelado permaneceu isolado na mata até 1859 na mesma picada, quando chegaram novos colonos.

    Logo no início, quando instalaram as cabanas realizavam a queima dos troncos, principalmente para espantar os animais ferozes. Cobras venenosas quando atacavam, geralmente as pessoas morriam sem assistência alguma.
    Outros animais silvestres terrivelmente assustadores para estes estrangeiros apareciam e causavam profundo pavor. Desconheciam os segredos da mata fechada. Era assustadora a passagem da noite nestes confins nos primeiros anos de colônia. A terra que tudo dava não podia ser arada, pois não dispunham de ferramentas, apenas o machado, a enxada e outros utensílios muito simples para enfrentar a vastidão da floresta impenetrável.

    Frederico Treptow, nascido em 23/02/1844, natural de Schontzöws, Pomerânia, instalado no lote número 15, chegou absolutamente sem nada para trabalhar, nem roupas, nem dinheiro, somente à vontade. Um desespero terrível tomou conta de seu ser, pois estava sozinho e era muito jovem para enfrentar aquela terrível missão a de instalar-se na nova colônia. Chorava de saudades da querida mamãe e de ter se aventurado de casa, fugindo sem dizer para onde ia. Falava do pai que não aceitou em casa e que fugindo teria paz. Começou a trabalhar na lavoura, sem mesmo conhecer a agricultura de sua pátria natal, e não se adaptou facilmente na agricultura brasileira.

    Cada dia que passava parecia que o mundo tinha o abandonado ali no meio da floresta desconhecida. Seu único auxílio vinha do vizinho, o amigo Luiz Schwartz, que também estava desesperado. Em 1859, chegaram outros que o ajudariam no trabalho. Pois o maior problema enfrentando pelos pioneiros era justamente o isolamento.
In Hoc Signo Vinces!
contador de visitas